sexta-feira, 10 de maio de 2013

Mãe, né?

Em mais este dia criado pelo comércio para bombar as vendas, vamos aproveitar para homenagear NÃO TODAS as mães, mas só aquelas que merecem.
Todos viemos delas, elas são as responsáveis (ou culpadas) pela nossa existência.
Mas generalizar não é justo... nem inteligente.
Existem mães que deveriam ter parido um rolo de arame farpado ao invés de uma criança. Que não queriam, que nem sabiam o que estavam fazendo de tão chapadas, que tentaram - ou conseguiram - matar seus filhos, muitos ainda dentro do ventre. 
Ainda não chegamos no ponto de dar à mãe o valor que ela merece. Isso porque ainda não demos à MULHER o valor que merece. Continuamos chamando o pai de "chefe de família", mesmo que a pobre mãe rale no emprego das 8 às 18, e depois tenha que cuidar da prole em casa. Continuamos acreditando em UM DEUS (no masculino), nunca jamais cogitando que um ser tão poderoso e onipotente possa ser umA deusA, como feminino é nosso próprio planeta, A Terra.
Para cada mãe que conseguiu acrescentar qualidade a este mundo, na forma de filhos que se tornaram (ou ainda irão se tornar) cidadãos do bem, de bem, para o bem - toda felicidade deste mundo! Para todas as outras, que simplesmente serviram de casulo onde um ser indesejado se formou para se tornar mais um traste entre tantos que assombram nossa sociedade tão decaída, que sua parcela de culpa retorne na medida correta.
Antes de mães, mulheres. 
Sem as mães, não teríamos nossa espécie, mas...
Sem as mulheres, não teríamos as mães (e ai de nós, numa existência sem elas..!)

Nossa solene homenagem vem na forma de uma mãe doida, rockeira das antigas, rebelde de um tempo em que a rebeldia não vinha das boutiques nem dos sites de relacionamentos virtuais. Nossa sempre "Tia" Rita Lee :
linda e doida... puro Rock'n'Roll

Elas querem é poder!

Mães assassinas, filhas de Maria
Polícias femininas, nazijudias
Gatas gatunas, kengas no cio
Esposas drogadas, tadinhas, mal pagas

Garotas de Ipanema, minas de Minas
Loiras, morenas, messalinas
Santas sinistras, ministras malvadas
Imeldas, Evitas, Beneditas estupradas

Paquitas de paquete, Xuxas em crise
Macacas de auditório,velhas atrizes
Patroas babacas, empregadas mandonas
Madonnas na cama, Dianas corneadas


Socialites plebéias, rainhas decadentes
Manecas alcéias, enfermeiras doentes
Madrastas malditas, superhomem sapatas
Irmãs La Dulce beaidetificadas

Toda mulher quer ser amada
Toda mulher quer ser feliz
Toda mulher se faz de coitada
Toda mulher é meio Leila Diniz



e mutante até o fim...





2 comentários:

Marcela Prado Campinas disse...

Concordo plenamente com o que disseram. Enquanto muitas mulheres querem ter esse dom divino de ser mãe e não conseguem, tem umas parideiras por aí que só sabem colocar filho no mundo e ao invés de cuidar, dar amor e carinho, boa formação, os colocam em situações de risco, os maltratam. Cuidam pior que um animal, que ao meu ver, tem muitos animais que são mais racionais que essas malditas. Filho é divino. Ser mãe, é padecer no paraíso. Sou garota de programa, rica, tenho meus dois filhos, que crio sozinha e vivem muito bem, tem de tudo. O meu mais velho completou 17 anos ontem, está prestes a entrar na faculdade, o outro de 15 anos é um adolescente maravilhoso. Só tenho a agradecer a nosso bom Deus por me permitir ou dar a honra de ser mãe de dois homenzinhos maravilhosos.

Valéria Bombshell disse...

Na mosca!!!
Mostrei pra minha mãe, pra ela saber o quanto é especial.
Exclente.