quarta-feira, 15 de abril de 2015

A arte russa que dura para sempre.

Você PENSA que não conhece esse cara - mas se curte um mínimo de tattoo ou já pesquisou alguma pela internet, sem dúvida tropeçou no trampo sinistro de DEN YAKOVLEV. Esse russo já figura no panteão dos grandes rabiscadores da atualidade, e abaixo você confere uma pequena amostra do motivo.















música para reflexão: "Siberian Vacations", do WILD DOGS.

terça-feira, 7 de abril de 2015

as 100 melhores do Prog... será?



Esta matéria foi chupada do site pastormattblog.com

Tente descobrir se procede. Melhor ainda, tente descobrir o PORQUÊ de termos republicado...

Dicas? "Changes aren't permanent...but change is..."



100.  “Grand Designs” by Rush.  It is only fitting to kick off this countdown with one of many, many Rush cuts.
99. “Edge of Thorns” by Savatage.  Why Jon Oliva is not a household name is a mystery to me.
98. “The Phantom of the Opera” by Iron Maiden.  The first of many Maiden songs and the only D’Anno track to make the cut.
97. “The Analog Kid” by Rush.  What is this song about? I don’t know but I love it.
96. “Watching Over Me” by Iced Earth.  A great song and the first of many on this list by this under rated band.
95. “On the Backs of Angels” by Dream Theater.  I was skeptical about DT’s ability to move forward without Portnoy but this is a great track!
94. “Operation: Mindcrime” by Queensryche.  The first of many cuts from the seminal concept album.
93. “Fear of the Dark” by Iron Maiden.  A great track about paranoia.
92. “Closer to the Heart” by Rush.  My 2nd favorite Rush ballad and one aimed right at…governments?
91. “l’enfant sauvage” by Gojira.  I have just started to get into Gojira as they move in to a more prog than death metal direction and I dig this track.
90. “The Apparition” by Fates Warning.  I was never a huge Fates Warning fan but this is a standout track.
89. “The Evil that Men Do” by Iron Maiden.  My favorite track from Seventh Son of a Seventh Son. A song about the longevity of evil deeds.
88. “Passive” by Perfect Circle.  A song about the failure to resuscitate someone via CPR? I don’t know but its awesome.
87. “La Villa Strangiato” by Rush.  Vinny Paul swears you are not a real drummer until you can pull off this instrumental gem from Neal and the boys.
86. “March of Mephisto” by Kamelot.  I had always assumed this band was European but they are actually from Florida. I love their duets even with black metal artists.
85. “A Mad Russian’s Christmas” by Trans-Siberian Orchestra.  I’ve never seen TSO in concert but, Lord willing, will rectify that this fall.
84. “Dogman” by King’s X.  The first but not last song by the Texas based power trio.
83. “Force Ten” by Rush.  According to Geddy Lee it is about facing barriers.  I don’t know but I love it!
82. “Flight of Icarus” by Iron Maiden.  We proggies like our mythology and no one rocks them out better than Maiden.
81. “The Pot” by Tool.  A song about drug culture in America.  This won’t be the last Tool song on this list by a long shot!
80. “Serpent’s Kiss” by Symphony X.  My favorite cut from this prog rock band from Jersey.  This won’t be the last song on this list with this title.
79. “Carnies” by Rush.  A great track from a great new album.  “Some time the angels punish us by answering our prayers”–great line.
78. “Dante’s Inferno” by Iced Earth.  A song about the poem…hey, at least we geeks are well read.
77. “H” by Tool.  I always thought this song was about God but I tracked down an interview where Maynard stated that it is about the abuse he suffered as a child.
76. “Wither” by Dream Theater.  A great power ballad about writer’s block.
75. “Where Eagles Dare” by Iron Maiden.  A song based on the 1968 Richard Burton and Clint Eastwood WWII flick.  Awesome.
74. “The Haunting” by Kamelot.  A great duet about still being in love with a person that is gone.
73. “Lateralus” by Tool.  I have no idea what this song is about but I can’t stop listening to it.
72. “My Name Is Mud” by Primus.  Is there any way to explain Primus?
71. “Red Barchetta” by Rush.  A song about a farmer who owns a Ferrari in secret after cars have been outlawed–only Neal Peart!
70. “It’s Love” by King’s X.  A very Beatles inspired track.
69. “Rime of the Ancient Mariner” by Iron Maiden.  Only Steve Harris would push a song about an ancient poem by Coleridge!
68. “Jambi” by Tool.  Many read a lot into this song until Danny Carey spilled the beans that it’s about the show Pee Wee’s Playhouse!
67. “Constant Motion” by Dream Theater.  A song about mental illness that was a big hit on Headbanger’s Ball on MTV2.
66. “Suite Sister Mary” by Queensryche.  A song about a female prostitute masquerading as a nun but targeted for assassination.  Man, I love Operation: Mindcrime!
65. “The Outsider” by A Perfect Circle. A song about a person who claims to be suicidal but may just be looking for attention? Maybe.
64. “The Wreckers” by Rush.  The song that has quickly become my favorite from the new (and amazing) album Clockwork Angels.
63. “Die With Your Boots On” by Iron Maiden.  The title says it all.
62. “Forsaken” by Dream Theater.  I love the video to this track but is apparently about vampires.  Hmm.
61. “Parabola” by Tool.  A prog song about math…why not.
60. “Oblivion” by Mastodon.  Is the band prog? There is certainly a strong streak in their recent music and this one may have kicked it off.  Written under the influence of pain killers after nearly dying from a brain injury, it is more of a laid back tune written about an out of body experience.
59. “The Wages of Sin” by Theocracy.  Another great piece of writing and musicianship from a great band.  If you’ve never heard them, check them out now.
58. “Blue” by A Perfect Circle.  A track about those who refuse to accept the truth no matter what.  Another brilliant cut from Maynard.
57. “Black Flag” by King’s X.  I have no idea what this song is about but every time I hear it, it stays with me all day long.
56. “The Prisoner” by Iron Maiden.  Inspired by the British TV show and one of Maiden’s catchiest.
55. “YYZ” by Rush.  My favorite Rush instrumental and a lot of fun live. It follows the rhythm of the morse code signature for the Toronto Airport, which means home for the power trio.
54. “Curl of the Burl” by Mastodon.  The most straight forward rock song from the Atlanta band and quickly became my favorite from them.
53. “Jet City Woman” by Queensryche.  Singer Geoff Tate’s first wife was  flight attendant from Seattle…’nuff said.
52. “The Mirror” by Dream Theater.  A song supposedly about drummer Mike Portnoy’s battle with alcoholism.
51. “Prison Sex” by Tool.  A powerful song about abuse.
50. 30 Pieces of Silver” by Theocracy.  If you know the New Testament, you get the song.  I love Theocracy.  Again, check them out…right now…what are you waiting for?
49. “Stranger in a Strange Land” by Iron Maiden.  Most Eddie Heads look down on the albumSomewhere in Time but I always liked it and this was my 2nd favorite track from it.
48. “The Hollow” by A Perfect Circle.  Supposedly about how sexual desire can overcome a person and rob them of a richer life (see the movie Shame).
47. “A Passage to Bangkok” by Rush.  The boys pro-marijuana song…catchy even if I disagree it.
46. “A Question of Heaven” by Iced Earth.  My favorite track from the band’s homage to Todd McFarland’s “Spawn.”
45. “Stinkfist” by Tool.  Is it a crude song about a sex act or is it a metaphor for how modern culture desensitizes us?
44. “Revolution Calling” by Queensryche.  In many ways, the true kick off to Operation: Mindcrime and a powerful track!
43.  “The Silent Man” by Dream Theater.  A great ballad supposedly about the failure of communication between a father and son.
42. “Over My Head” by King’s X.  A spiritual song from a band that once identified itself as at least sympathetic to Christianity.
41. “Wasted Years” by Iron Maiden.  Another track I loved from Somewhere in Time about the fleeting nature of youth.
40. “Bravado” by Rush.  The highlight of Roll The Bones about those who do what has to be done regardless of the personal cost.  Geddy Lee has stated that it is one of his favorites.
39. “People Say–Gimme Some Hell” by Jon Oliva’s Pain.  A side project for the Savatage front man scored with this powerful cut.
38. “3 Libras” by A Perfect Circle.  Maynard has given different explanations for the song in different interviews but I tend to think it is about being overlooked and cast off.
37. “AEnema” by Tool.  An ode to late comedian Bill Hicks and his hatred of L.A. and wish that it would fall into the ocean! Can I get an amen?
36. “Gutter Ballet” by Savatage.  A song about the mixed culture of the streets where one can see brutality and grace filled communities side-by-side.
35. “Empire” by Queensryche.  A track about the rise in powerful drug gangs.  The highest ranking non-Mindcrime cut from Geoff & the boys.
34. “2 Minutes to Midnight” by Iron Maiden.  A song I always thought was about the unleashing of the angel of death in Exodus but, according to Bruce Dickinson, it is about the threat of nuclear war.
33. “Red Sector A” by Rush.  A heartbreaking track about the holocaust.
30-32. “Prophecy” “Birth of the Wicked” and “The Coming Curse” (The Something Wicked Trilogy by Iced Earth.  An epic sci-fi story about the eventual destruction of mankind.  I don’t listen to it often or otherwise it would have ranked higher.
29. “I Am” by Theocracy.  If you know your Bible, the title says it all.  A criminally under rated band.
28. “Judith” by A Perfect Circle.  Maynard wrote this about his mother who had a stroke but maintained her belief in God.
27. “Rites of Passage” by Dream Theater.  A song about secret societies including free masons!
26. “Sober” by Tool.  I initially thought this song was about something epic…turns out it’s about a buddy of the band who was always high!
25. “Aces High” by Iron Maiden.  A metal song about a WWII air battle…add a dragon and its the perfect metal song!
24. “Goldilox” by King’s X.  I don’t know what this song is about but it’s my favorite cut from the Texas power trio.
23. “Hall of the Mountain King” by Savatage.  Who thought the only track about Lord of the Rings would only hit #23…c’mon we can do better for Mr. Tolkein, can’t we?
22. “Tears of the Dragon” by Bruce Dickinson.  When Bruce left Maiden it initially looked like he was headed in a pop metal direction (see “Tattooed Millionaire”) but he returned home and this was the best of the tracks he produced on his return.
21. “Subdivisions” by Rush.  The best of the synth-pop era Rush songs and its about individuality…me thinks you may note a theme in Neil Peart’s lyrics.
20. “Christmas Eve/Sarajevo 12/24″ by Trans-Siberian Orchestra.  An instrumental medley of “God Rest Ye Merry Gentlemen” and “Carol of the Bells.”
19. “Pull Me Under” by Dream Theater.  The song that but DT on the map and it is supposedly about Hamlet…who  knew?
18. “Forty-Six & 2″ by Tool.  A weird but compelling song about genetics…only Maynard would write such a tune.
17. “Run to the Hills” by Iron Maiden.  A galloping lament of the treatment of Native Americans with a great chorus.
16. “Spirit of the Radio” by Rush.  A track about the power of music and its corruption by the business end of the music business.  It doesn’t get much better than being at a Rush concert and hearing Alex Lifeson’s great opening riff hit the amps.
15. “I Don’t Believe in Love” by Queensryche.  A song about the assassin Nikki trying to convince himself he’s not in love with Sister Mary and if you don’t know what I’m talking about, I’m embarrassed for you!
14. “Believe” by Savatage.  The concluding track to the rock opera Streets and it is simple and beautiful.
13. “Dreaming Neon Black” by Nevermore.  According to Warren Dane, this foreboding cut is about losing his girlfriend to a cult and never seeing her again.
12. “Schism” by Tool.  Supposedly a track about divisions within the church–especially interesting to a pastor like me.
11. “The Number of the Beast” by Iron Maiden.  A song about a nightmare that bassist Steve Harris wrote after watching Damien: The Omen II.
10. “Limelight” by Rush. Neil Peart was aghast when fans began to follow him home! “Limelight” is his mulling on the strange, mixed blessings of fame.
9. “Weak and Powerless” by A Perfect Circle.  A powerful song about drug addiction.
8. “The Trooper” by Iron Maiden.  Who other than Iron Maiden could pen a metal classic about the Crimean War.
7. “Serpent’s Kiss” by Theocracy.  A 12-minute reflection on original sin and prayer for redemption.  The best prog rock song from the best Christian prog rock band.  Amazing.
6. “A Change of Seasons” by Dream Theater. A twenty-three minute classic that reflects on life and death.  Dream Theater’s magnum opus…and that’s saying something.
5. “2112” by Rush. Speaking of twenty-minute epics, “2112” is THE “long song masterpiece” spinning a tale of a future theocracy that has outlawed music and a new guitarist who leads a rebellion.  Awesome (and my son’s favorite).
4. “Eyes of a Stranger” by Queensryche.  The best song off the best hard rock concept album ever made.
3. “Vicarious” by Tool.  A fierce indictment of the American obsession with reality TV.
2. “Hallowed Be Thy Name” by Iron Maiden.  Let’s face it, if you are ever sentenced to death by hanging, you will be singing this on you way to the gallows.
1. “Tom Sawyer” by Rush.  Neil Peart penned the lyrics to this ode to individualism with Pye Dubois and it is the king of all prog rock songs.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Se é feriado........

...tanto faz o motivo.....este país tá parado mesmo...






música para reflexão: "Insulin" do Crystal Castles.

segunda-feira, 9 de março de 2015

METALLICA canta a bíblia. . .


Caaaaaalma, irmãos e irmãs!!! O poderoso METALLICA não deu uma de xuxa e bandeou pros lados dos pastores. Nem tá cobrando o dízimo - podem soltar o fôlego!
Sim, Jimmy continua fiel aos seus princípios (e tattoos) cristãos, do jeito dele. O que não faz a mínima diferença, desde que continue berrando e destruindo sua guitarra nos tons que nos provocam orgasmos auditivos...
Vamos falar aqui de uma música que 110% dos fãs da banda conhecem, 99% amam... mas nem metade sabe o que realmente significa. O petardo em questão - sem dúvida uma das minhas top 10 - é "CREEPING DEATH", lançada no acachapante álbum RIDE THE LIGHTNING, no belo ano de 1984.


Numa roda de boteco, alguns fedelhos recém-chegados no Metal (ou seja, com menos de 10 anos de barulho) ficaram comatosos ao descobrirem que essa verdadeira obra-prima do Thrash fala de uma... passagem bíblica! É... essa letra fala do que tá escrito no capítulo 12 do livro do ÊXODO, no hardcore Velho Testamento. Esse livro nos traz aquele "deus" das mais sombrias histórias de terror - mau, violento, sanguinário, vingativo. Nessa passagem, putão porque o faraó não queria libertar seu povo hebreu, o todo-poderoso manda todo mundo que acreditava nele se trancar em casa, lambuzar a porta com sangue de cordeiro e ficar na encolha - porque ele viria trucidar todos os primogênitos do Egito - incluindo o do próprio faraó. Sim... god passou o cerol nas pobres criancinhas egípcias pra se vingar do cara que não queria que seu povo escolhido (não sei se você já sabe, mas nem todo mundo é "escolhido de deus"...) fosse pra outro canto. (Êxodo, 12:29).
Se adiantou? E como! Dia seguinte o faraó (todo cagado de medo) chamou Moisés (que tinha armado a coisa toda com deus) e mandou ele levar a cambada embora de lá urgente!! Angry God wins - fatality !!!

Historinhas à parte - poucas fábulas dariam um tema de Metal insano como essa - e a galera do Alcoholica colocou tudo em versos - e potência sonora extrema!!! 

Sabia dessa não? Mais uma que você aprende aqui, seu néscio da palavra sagrada!!! Na verdade, seja você crente ou não, a Bíblia é um tremendo livro de histórias de terror, guerra e muito gore! Se isso lhe agrada, leia, infiel!!

Eis aqui então essa joia da coroa do Heavy Metal. Da próxima vez que você ouvir, lembre-se do infanticídio vindo de cima... e tente não deixar Angry God puto de novo... porque pode sobrar para os seus... 

Taí pra você cantar junto:


Slaves
Hebrews born to serve, to the pharaoh

Heed

To his every word, live in fear

Faith
Of the unknown one, the deliverer
Wait
Something must be done, four hundred years

So let it be written

So let it be done

I'm sent here by the chosen one

So let it be written
So let it be done
To kill the first born pharaoh son
I'm creeping death

Now

Let my people go, land of goshen

Go

I will be with thee, bush of fire
Blood
Running red and strong, down the nile
Plague
Darkness three days long, hail to fire

So let it be written

So let it be done

I'm sent here by the chosen one

So let it be written
So let it be done
To kill the first born pharaoh son
I'm creeping death

Die by my hand

I creep across the land

Killing first born man

Die by my hand
I creep across the land
Killing first born man
I
Rule the midnight air the destroyer
Born
I shall soon be there, deadly mass
I
Creep the steps and flood final darkness
Blood
Lambs blood painted door, I shall pass

So let it be written

So let it be done

I'm sent here by the chosen one

So let it be written
So let it be done
To kill the first born pharaoh son
I'm creeping death





quinta-feira, 5 de março de 2015

chorando no casamento. . .


Essa é verídica e me aconteceu recentemente. 
Não tenho nada contra o casamento. Mas odeio a tal "cerimônia". Um ritual anacrônico e sem sentido, onde gastam os tubos para que a sociedade "presencie a união". Todo mundo acha que sua cerimônia vai ser a melhor e mais original (no, it will not)... e que a festa vai ser a mais fodona (depois o povo sai reclamando que a cerva tava quente e o rango frio...).
Por isso evito ao máxxxxximo comparecer a essas situações constrangedoras e xaropes - e inclua aí meu asco por "roupas sociais"... bleargh!
Mãããs... às vezes é inevitável. Convenções sociais, interesses profissionais, you name it. Tem uma hora que não dá pra escapar - e esta é sobre esse momento que começou degradante, mas terminou sendo uma das melhores gargalhadas da minha longa vida.
e viva a noiva!
Senão vejamos...
Depois de toda a chatice, o calor e o burburinho dentro da igreja, decorada a preços draconianos cobrados pela cúria, começam as musiquinhas xaropes e aquele povo estranho começa a desfilar pela passarela do mico. Velhotes com ternos alugados, velhotas maquiadas como prostitutas aposentadas, uma ou outra mulher com vestido de piriguete, aqueles aborrecentes que foram enfiados a fórceps em trajes sociais - the works.
Eis que então entra a noiva. Embrulhada naquele vestido branco que nunca se sabe se é o mesmo de todos os outros casamentos na Terra ou não, ela vem de passinho em passinho ao som de uma música muito bonita, cantada pelo vozeirão do veterano Chris Isaak. Tudo estaria de acordo com a convenção social, não fosse um detalhe... A LETRA DA MÚSICA!
Bom... ninguém havia reparado no título: "Wicked Game" - algo como Jogo Perverso, maldoso, malvado.

Tomei a liberdade de traduzir a bagaça (o que raramente fazemos aqui) - só para que todos possam rir igualmente - mesmo aqueles que, como os noivos, não possuem a mais remota ideia do que estão cantando ou escutando:

O mundo estava em chamas e
ninguém podia me salvar, a não ser você
É estranho o que o desejo faz as pessoas estúpidas fazerem
Eu nunca sonhei que conheceria alguém como você
eu nunca sonhei que perderia alguém como você

Não, eu não quero me apaixonar
(essa garota vai quebrar seu coração)
Não, eu não quero me apaixonar
(essa garota vai quebrar seu coração)
Por você

Que jogo perverso de se jogar...
que me faz sentir desse jeito
Que coisa perversa isso 
me fazer sonhar com você
Que coisa perversa pra se dizer:
que você nunca se sentiu assim
Que coisa maldosa de se fazer
que eu sonhe com você

E eu não quero me apaixonar
(essa garota vai quebrar seu coração)
Não, eu não quero me apaixonar
(essa garota vai quebrar seu coração)
Por você

Não, eu
Ninguém ama ninguém


Resumindo - quando os pombos foram escolher a fatídica música com a qual a envergonhada noiva adentraria o recinto sagrado, acharam essa bonitinha e mandaram bala. Não pediram pra um abençoado que soubesse o mínimo de Inglês traduzir, pra descobrirem que a música fala de DECEPÇÃO AMOROSA, CORAÇÃO PARTIDO, CONFUNDIR TESÃO COM AMOR...etc...

Porra gente - a última frase da música é "NOBODY LOVES NO ONE"!!! Wot da fuck?!?

Daí o título. Enquanto a noiva, segurando aquele choro nervoso pra não borrar a maquiagem, desfilava constrangedoramente pela passarela rumo ao seu escolhido, eu ia percebendo aqui e ali um risinho, e a menina do meu lado cantando a música e chorando. Chorei também. Cada vez que ouvia o refrão "EU NÃO QUERO ME APAIXONAR POR VOCÊ", "ESSA GAROTA VAI QUEBRAR SEU CORAÇÃO", chorava engolindo a gargalhada. Até o momento em que - precisamente cronometrado - a coitada chega perante o noivo e se ouve o último verso: NINGUÉM AMA NINGUÉM.........(pera um pouco que só de lembrar as lágrimas escorrem...)

Então - se nunca ajudamos você em nada, que fique pelo menos esta dica: CUIDADO COM A TRILHA SONORA DO SEU CASÓRIO (funerais também merecem atenção redobrada...) e, na dúvida, vai no óbvio mesmo - as musiquinhas manjadas que tocam em todos os outros. Às vezes querer inventar pode ser catastrófico...

Finalizo este causo deixando vocês com uma versão muito boa dessa música (que, repito, é muito bonita). Aqui interpretada pelo STONE SOUR, e com a letra original para você não achar que eu tô inventando... e aos noivos, a felicidade que ambos merecerem...





terça-feira, 3 de março de 2015

sábado, 21 de fevereiro de 2015

AO VIVO é mais gostoso sempre!!!

Você, nosso/a diletíssimo/a leitor, sabe que sempre lemos as besteiras que vocês escrevem (assim como vocês leem as nossas...). E, embora a gente sempre confira suas sugestões, nem sempre dá vontade de atender... 
MÃS... um dos pedidos mais insistentes é o infame "sugestões de bons discos" - e isso é algo que não podemos negar. Principalmente no caso dos mais jovens, que anseiam pela sabedoria rockeira vinda de anciões que já percorreram mais da metade do caminho desta existência pesada.
Em assim sendo, faremos o seguinte. NADA DE MELHOR COISA NENHUMA - porque isso vai de cada um, e se eu publicar algo que outro editor não goste, a porrada come. 
Vamos dar alguns exemplos - isso sim - de ÁLBUNS ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIOS para que você possa se considerar um aspirante a neófito da Sagrada Senda do ROCK. 

Nesta primeira leva, somente álbuns AO VIVO. O motivo é o seguinte - nos "Live albuns" geralmente as bandas escolhem as melhores faixas pra tocar - e tocam de um modo mais pessoal, menos "engessado", como tem que ser nos estúdios. Mais autêntico, mais selecionado - consequentemente o melhor para exibir.

Pode concordar ou não. Sugerir mais uma tonelada de outros álbuns. Reclamar, espernear, ranger os dentes. MAS JAMAIS DIZER QUE ESSES AÍ EMBAIXO NÃO SÃO IMPRESCINDÍVEIS!!!

Confira aê:


RUSH - EXIT...STAGE LEFT


Lançado em 1981 e contendo - na época - 2 LPs, esse pode seguramente concorrer ao melhor álbum da melhor banda de todos os tempos. Antes da fase "eletrônica", que afastou muitos pseudo-fãs, Alex Lifeson, Neil Peart e Geddy Lee brindaram o mundo com versões ao vivo de alguns de seus maiores hits. Usando o que havia à disposição na época, levaram ao palco tecnologia avançada de luz e som - e destruíram com performances absurdas. Lee tocando ao vivo o baixo, os teclados, cantando. Peart praticamente escondido atrás da maior bateria já vista até então. E Lifeson indo do violão acústico ao double neck com maestria. Tudo irretocável. Perfeito. Sensacional.
O público do RUSH sempre foi muito fiel e diferenciado. E o motivo pode ser facilmente percebido nesse ao vivo. Tudo é tão bem executado, cada nota tão perfeitamente colocada. E, mesmo assim, a energia  flui e a cabeça bate no ar. A voz peculiar de Geddy faz cantar junto. A bateria de Peart hipnotiza e faz pensar seriamente em sua divindade. E os riffs e solos de Lifeson dão o toque pesado e intrincado que caracteriza esse bolachão.
Há mais de 30 anos, tocar ao vivo músicas elaboradas com muitos instrumentos diferentes, vários takes de estúdio e uma elaboração inacreditável mostrou ao mundo o que o mundo já sabia: eles fazem o que quiserem ao vivo... e ninguém supera o RUSH em técnica e execução. Ponto.

DESTAQUES: Absolutamente tudo, da introdução ao grand finale. Mas a percussão do Mestre Peart em "Xanadu" derruba a mandíbula.


MOTÖRHEAD - NO SLEEP 'TIL HAMMERSMITH


Também lançado em 1981 (como foi bom estar vivo nesse ano!), deus Lemmy e seus comparsas Philty Animal Taylor e Fast Eddie Clark introduziram o conceito de massacrar os ouvidos das audiências. Até então não se conhecia tamanho volume e brutalidade sonora como o que foi derramado pelo trio.
Uma mixagem fraca, edição pobre em termos de refinamento - ingredientes essenciais para quem, à época, achava que não existia nada mais pesado que Judas ou Purple.
O baixo treme-terra, a guitarra insana e uma quase inédita bateria de dois bumbos serviam de fundo para Lemmy arrotar as letras sem a mínima consideração com a sensibilidade auditiva da platéia. As melhores faixas até então estão presentes, e uma vem atrás da outra quase sem intervalo.
Embora a atual formação seja - talvez - a melhor de todos os tempos, "Hammersmith" foi o auge do barulho maravilhoso. Quem tinha a satisfação de adquirir o LP não acreditava no que ouvia. E certamente esse álbum foi fundamental para o Motör estar onde está hoje - no panteão dos deuses do Metal. Forever!

DESTAQUES: "(We are) The Road Crew" é um tapão no pé do ouvido. 



JUDAS PRIEST - UNLEASHED IN THE EAST


Sempre penso como seria se esse álbum tivesse sido feito com os recursos de hoje. O petardo veio à luz no longínquo ano de 1979. Exato, amiguinhos e amiguinhas, quando muitos de vocês ainda discutiam como queriam encarnar.
Esse álbum saiu em vários países com vários nomes. Os fãs conhecem como "Live in Japan", ou whatever, e o fato é que TODAS as músicas são primorosas. o metal god Halford, as guitarras gêmeas de K.K. e Tipton, o baixo infalível de Ian Hill, e o meteórico baterista Les Binks trouxeram para os nossos ouvidos pouco mais de 1 hora do que viria a ser conhecido como autêntico HEAVY METAL!
Muitos que conheciam os discos de estúdio se questionavam... "será que Rob consegue reproduzir tudo isso ao vivo?" A resposta é um sonoro NÃO. Ele não reproduz - ELE SUPERA! Atrevo-me a dizer que todas as faixas são melhores nesse álbum do que em suas versões originais. Halford está possuído, sua voz simplesmente não falha. As oitavas vão sendo superadas, os graves viram agudos, e até músicas sem grande apelo pesado como "Diamonds and Rust e "Victim of Changes" viram petardos niquelados ao vivo. Tudo marinado nas guitarras absurdas de K.K. e Glenn. Não tem enrolação, o falatório é pouco, e se alguém conseguiu ouvir sentado e imóvel, certamente foi sepultado pouco tempo depois.

DESTAQUES: Muito, muito difícil apontar um ou outro. Mas "Green Manalishi" estoura os woofers, e "Tyrant" mostra porque Halford era considerado na época o melhor vocal do Rock Pesado.



AC/DC - IF YOU WANT BLOOD... YOU'VE GOT IT


"Quem  você prefere? Bon Scott ou Brian Johnson?" Perguntinha cacete que não merece resposta. Mas este álbum está aqui por um motivo - a atuação sensacional de seu então frontman, o falecido Bon Scott.
Voltamos um pouco mais no tempo e estamos em 1978. O AC/DC não é nem de longe o sucesso estratosférico que é hoje. Não é modinha nas camisetas de roqueirinhas de boutique. É uma banda de gênero ainda indefinido, lá do cu do planeta, que tem uma característica peculiar: tocar com autenticidade e garra.
"If you want blood" é tudo isso e muito mais. Talvez um dos álbuns que mais passe a sensação de estar no show, tomando várias e ouvindo bem ao lado da caixa de som. Parece até ter sido feito em um take só, sem edição ou mixagem. Tudo flui gostoso, naturalmente, como num verdadeiro show de verdadeiro Rock'n'Roll. A voz bêbada de Bon vai do boogie ao quase metal. Angus Young está chegando ao auge de seu talento. Seu irmão Malcolm segura a base incrível com Cliff Williams e Phil Rudd. Vem daí a tradição de shows matadores do AC/DC, já que tudo é tão bem azeitado que parece ser exatamente assim no estúdio. Claro que a banda tem oficiais e bootlegs excelentes ao vivo. Mas este álbum foi meio que um aviso ao mundo do que a Austrália estava gerando - e que em breve iria tomar de assalto o cenário do Rock Pesadíssimo. E foi o que aconteceu!

DESTAQUES: "Bad Boy Boogie" e "The Jack" mostram bem a característica dessa gangue. Transformar qualquer ritmo em motivo pra chacoalhar o cabeção. Peso sempre.


QUEEN - LIVE KILLERS


Deixa eu confessar uma coisa. Minha primeira paixão em termos de Rock foi o Queen. E durou até o famigerado "The Game". Depois daí não consegui mais ouvir a chatice eletrônica, meio disco, meio sei-la-o-quê, que veio a seguir (com poucas exceções).
Mas todos os motivos para essa paixão estão presentes nesse que eu considero um dos melhores álbuns ao vivo já feitos no mundo do Rock. Uma das bandas mais competentes e redondas que já existiram no auge da performance. John Deacon infalível no baixo. Roger Taylor competente na bateria e extraordinário no vocal. Brian May, na minha opinião um dos melhores (e mais subvalorizados) guitarristas de todos os tempos, e a estrela Freddie Mercury, digno de todos os elogios.
Também lançado em 1979, o orgasmo começa com a embalagem. Dois LPs em uma capa dupla repleta de fotos sensacionais dos shows. Considerando que raríssimos seres que habitavam este paisinho de bosta tinham a condição sequer de comprar uma revista de Rock importada - que dizer de assistir um show ao vivo - imaginem só ouvir as músicas vendo aqueles pequenos momentos em foto.
Alternando momentos de puro Hard Rock com mela-cuecas que ficaram mundialmente conhecidas (sim, falo de "Love of my Life"), o quarteto conseguiu preencher exatos 90 minutos e 08 segundos de Rock and Roll da melhor - e coloca melhor nisso - qualidade.
Os bobocas que só conheceram o Queen mais atual (justamente a fase xarope), e não se aventuraram em conhecer de onde essa que é uma das melhores bandas do Rock realmente veio, ficarão meio tensos com tanta pauleira e tanta energia.
Surpreendente, Roger Taylor segura um backing vocal impressionante. E canta com a voz rasgada, arrebentando em "I'm in love with my car". Músicas excelentes que hoje poucos conhecem, como '39 (com May nos vocais), "Brighton Rock", "Let me Entertain You", e delicadezas sonoras como "Dreamers Ball", "You're my Best Friend" e "Spread Your Wings" mostram que os caras sabiam fazer absolutamente de tudo, e que qualquer headbanger sairia de um show desses sem ter o que falar de mal. Principalmente depois de ouvir o que o Brian faz nas cordas (usando uma moedinha como palheta). E a bateria bombardeira de Roger Taylor, que carrega todo o peso das músicas. Just genius.

DESTAQUES: A versão Hard de "We Will Rock You", um dos melhores exemplos de faixa de introdução que incendeia o show. E realmente "rocka" todo mundo!



Vão se divertindo, correndo atrás dessas preciosidades - que eu vou preparando mais sugestões para o futuro. Uma lição que vocês certamente vão tirar é - "Ah, agora eu entendo como esses caras curtem ROCK há tanto tempo..." SIM, é exatamente porque o bom Rock'n'Roll já é feito há um bom tempo. E somos privilegiados por termos vivido tudo isso. Fazer o quê..........