terça-feira, 30 de abril de 2013

Zakk Wylde e o verdadeiro sentido do Metal..!

Zakk destruindo em São Paulo
Se você tem um conhecimento mediano da cena do Metal, obviamente já ouviu falar dele. Se não em seus projetos e participações na obra de outros feras, certamente como guitarrista do "cara": Ozzy Osbourne; ou então com sua (já) lendária banda: BLACK LABEL SOCIETY.
Imagine um cara como tantos de nós, guitarrista talentoso, mas perdido no meio de milhares, e - de uma hora pra outra - com menos de 20 anos de idade, ser convidado para assumir o pedestal que já foi ocupado por ninguém menos que Randy Rhoads e ser guitarrista do mítico Ozzy. Mas desde o primeiro acorde, o ambicioso garoto mostrou a que veio. Uma agilidade incrível, criatividade, uso e abuso das dificílimas pentatônicas, e uma presença de palco que personalizava o "front guitar man" - quase em contraste com a semi-mobilidade de Osbourne.
De guitarrista a amigo, companheiro das farras mais absurdas, regadas a álcool, drogas e excessos. O visual ridículo da cena 8Otista (toneladas de laquê, maquiagem e cara de viado constipado) logo deram lugar à personalização do interior do moleque: um americano pobre de New Jersey que se achava algum tipo de viking nórdico perdido entre Asgard e Los Angeles. Começava ali a nascer um personagem que iria marcar para sempre o Heavy Metal do mais alto nível.
e os meus cabelos? quaaaanta diferença...
Criatividade nas alturas, Wylde entrou e saiu de vários projetos paralelos: "Lynyrd Skinhead", "Pride and Glory", por exemplo (dentre uma penca). Tocou em bandas de amigos, fez ponta em filme, figurou em zilhões de capas de revistas de guitarra, DVDs, sempre louvando seu modo de vida totalmente "out of control" e sua habilidade poucas vezes imitada.
Até que, pelos idos de 98, ele monta a emblemática Black Label Society - banda destinada a expressar com precisão o "jeito Wylde de ser".
E aqui o título do post começa a tomar sentido...
Por que o "verdadeiro sentido" do Metal?
Well... porque o BLS personifica o que é SER um headbanger. Do visual ao som, das letras hedonistas e imediatas ao barulho e algazarra dos shows. 
Ir a um show do BLS é estar em contato com o espírito do que um dia foi batizado de Heavy Metal. Sobre o palco, Zakk é como um líder ensandecido que conduz as massas a um transe. O final de um show do BLS resume-se em estar suado, surdo, rouco, possivelmente bêbado, e absolutamente leve, aliviado, curado da realidade ridícula de um cotidiano pautado por regras, aparências, modismos e comportamento padrão.
e eu continuo morrendo de medo de freira...
Mais do que isso, Wylde transformou sua banda em uma irmandade, um culto. Muito semelhante às suas próprias crenças, já que ele se diz católico, mas não perde uma chance de zoar com a própria fé (vide a capa de "Shot to Hell", e as dezenas de fotos, figuras e sacanagens que diariamente posta em seu twitter e instagram). Chama seu estúdio de "Black Vatican", e todos seus amigos de "Padres". 
Como um verdadeiro Moto Clube, criou "chapters", seções regionais de fãs da banda - todos devidamente uniformizados com as cores da irmandade, e todos chamados por ele de "Berzerkers" (de berserker, um tipo icônico de guerreiro germânico considerado o mais agressivo e temido de todos os tempos, termo que deu origem a uma expressão em Inglês que significa ficar possesso, raivoso). 
E chegamos ao verdadeiro sentido do Metal: a irmandade, a identificação mútua, o grupo. 
Não é isso que a humanidade busca desde seu princípio? Um grupo ao qual possa pertencer, interagir e onde sinta apoio e amizade? Poucas bandas de Metal representam isso tão bem quanto o Black Label. E, no meio de toda aquela maravilhosa balburdia, toda a decoração bizarra que envolve cruzes, caveiras, ossos, correntes, e sob o comando de um gigante cabeludo, barbudo e desgrenhado, que toca a guitarra como se fosse moer a pobrezinha, grunhindo ao invés de cantar, o lado mais cativante de ser um headbanger fica evidente: a (devidamente moldada aos padrões atuais) pura e primitiva selvageria!!!
Lemas como "Strenght, Determination, Merciless Forever" e "Get It Fucking Done" são palavras de ordem entre os fãs do Black Label Society. Ou "Order", ou "Iluminatti", se preferirem... todos termos cunhados pelo maluco Zakk...
Mas ainda não terminei...
Por mais que fosse muuuuito divertido, infelizmente não vivemos mais na época dos bárbaros. Não dá pra passar a vida só batendo cabeça, berrando, destruindo instrumentos e se atirando em moshs. A grande desgraça desta existência é termos que nos adaptar ao mundinho pálido, morno, trouxa e enquadrado em que vivemos. Trabalho, estudo, regras, leis, sociedade, proibições e idiotices diversas. E é para isso que serve a religião do Metal e pastores como Zakk Wylde.
Ele próprio é a prova disso. Fora dos palcos, o neandertalesco roqueiro é um homem de família - até hoje casado com sua primeira namorada da época de colégio, pai de 4 filhos (sendo o último, Sabbath Page, ainda bebê). Trabalhador compulsivo, está envolvido em tudo, desde a criação do merchandise da banda, até a produção de eventos, workshops, e principalmente encontros com os fãs. Escreveu um livro hilário ("Bringing Metal to the Children"), onde passa a maior parte do tempo contando casos da estrada do Rock e tirando sarro de si mesmo. Simpático e acessível, vive sendo zoado por seus amigos, e encara a "imagem" como uma personificação de um alter-ego. Como me disse uma vez sua esposa Barbaranne, quando eu me referi a ele como "the Boss": ele pode ser o Boss para os fãs, mas em casa é apenas "daddy". E se você entrar em seu twitter, instagram, facebook, vai ver fotos dele tocando piano para a esposa, dormindo na cama com os filhos, brincando com os cachorros, ou (certamente) malhando em sua academia particular.
é... não parece o físico de um guitarrista de 46 anos...
O ponto todo da questão é: SIM, você pode ser um "homem de família", "respeitável membro da sociedade", "profissional bem sucedido"... e ainda assim ter seu momento de colocar para fora o seu lado primitivo, hedonista, sacana, selvagem! Você pode ganhar seu dinheiro honestamente, ter um relacionamento estável, filhos, cães, gatos, cacatuas, uma horta no fundo da casa, passar a semana inteira de terno e gravata... MAS isso não tira de você o direito de ter seus momentos exclusivos de liberdade, curtição, loucura.
É para isso que servem os cultos religiosos e os shows musicais. Cada um se dá bem em seu elemento. Berrar elogios a deus, cantar músicas melosas de cornos, ou headbanguear enlouquecidamente ao som de guitarras ensurdecedoras.
No nosso caso aqui, essa última hipótese se confunde com religião. É ali que nos sentimos vivos, no sentido BOM da palavra. É no som pesado que nos comunicamos com o que entendemos por "deus".
E gostamos de ver cada headbanger, independente de sua tendência metálica, idade, cor, credo, religião, orientação sexual, time do coração, profissão ou partido político - como um(a) irmão(ã), um membro de uma grande e louca família - que em sua maioria está escondida sob vestes e gestos aparentemente normais - esperando o primeiro acorde de guitarra distorcida pra bater o cabeção e fazer os chifres do demo com as mãos. 
Enquanto existirem doidos como Zakk Wylde (que vai ficando mais casca grossa com a idade), gente como nós, que fazemos este blog, saberá que somos parte de uma família que não morre fácil...
tipo isso...
Ah... e quanto aos "maus hábitos" que o menino Zakk tinha... abandonou tudo, do cigarro ao álcool. Mas ainda canta petardos como "Stoned and Drunk" como se o pub ainda estivesse aberto...
Porque "ser doido" é uma questão de mente, de atitude... e na hora certa, right?



música para reflexão: TODAS do Black Label Society!!! 

6 comentários:

Mautner Berzerker disse...

LONGA VIDA a Zakk Wylde!!!!!!!!!!

BLS FOR LIFE!!!!!!!!


SDMF!!!!!!!


Amy disse...

almighty god
esse cara é meu sonho de consumo.
meu só não - minhas amigas amam o zakk - até as que nem curtem metal.
confesso que nunca tinha prestado atenção nos quarentões até ele aparecer.
hoje não dá pra olhar para um menino novo com os mesmos olhos. não acreditei quando vi a legenda da foto e fui conferir, e ele realmente tem 46!
zakk I want you so so badly!

^;^

ThunderForce disse...

BLACK LABEL ILUMINATTI!
BLACK LABEL comanda!
ZAKK is guitar god!

GET IT FUCKING DONE!

ﯼαm ♪ disse...

Eu adoro Pride and Glory e a aclamada BLS, mas não tive a oportunidade de ir ao show desse cara porque foi cancelado aqui. Realmente ele tem um lado espiritual forte, creio eu, já que no show The European Invasion Doom Troopin', na música In This River (iniciada por um longo solo trabalhadíssimo de guitarra) ele levanta as mãos para cima na frase "this storm has broken me, my ONLY FRIEND".
Bom, acho que não é por conta de se ter uma religião que não se deva questioná-la, as pessoas podem sim crer em Deus, mas não necessariamente ter de abandonar o que não prejudica a ninguém, como nossa "religião": METAL \,,/
Não sou mais de analisar a aparência dos bangers afora, não importa, desde que se tenha um trabalho de qualidade, como o feito pelo Zakk. Que está cada vez mais escasso nos dias de hoje.
Espero que a família banger não padeça como o cenário do rock está aparentando, o próprio Lemmy criticou a banda The Darkness (acho que nunca vi essa) no documentário dele.
Espero que blogs como o seu tragam sempre posts excelentes como esse e que as pessoas consigam enxergar além da aparência do frontman, pois o cenário não vai decair se houverem mais interessados no solo de guitarra, na voz ao vivo, nas letras e etc.
Como o próprio Zakk disse: "all that shines turns to rust".

May metal be with you \,,/

RSP disse...

Zack... Um dos poucos guitarristas que se pode dizer que realmente domina as pentatonicas!

E, tambem, uma figura que enriquece a verdadeira VIDA!

RSP

DigoRock87 disse...

Realmente um cara fora de série! Um músico extraordinário! Sou fã de suas músicas e tenho a mesma linha de raciocínio em questão de religião. Acredito em Deus, mas também tenho minha opnião concernente alguns questionamentos e posicionamentos. Espero poder ir em seu show logo mais.

#BLSVEMPRACA