sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Lulu?? Tubby?? É... você merece...




É...mais um capítulo na história humana da idiotização via tecnologia.
"Aplicativos" que lhe permitem elogiar ou detonar aquele(a) com quem compartilhou a cama, o sofá, o assento do carro, a pia... enfim - o famoso "comeu e não gostou". Sim, porque fica óbvio que poucos vão se utilizar dessa "maravilha tecnológica" para elogiar os atributos de seus parceiros. O objetivo da bagaça é fornecer uma ferramenta para baixar o pau, humilhar, vingar-se de alguma forma.
A trepada foi fraca? Ele não ligou depois? Ela foi dar pra outro? Não rolou o compromisso que você queria? Bora entrar no aplicativo e sentar o sarrafo nesse pilantra, nessa vadia! E espalhar para o mundo! 
Pessoas que se solidarizaram com a invasão de privacidade de Carolina Dieckmann, ou que acharam absurdas as cenas da pobre adolescente seminua postadas nas redes sociais -  o que a levou ao suicídio - agora se deleitam contando intimidades de seus parceiros para o mundinho virtual.
Raciocinemos: se você elogiar, estará cafetinando. Seus amigos/amigas vão querer também, já que a figura é tão maravilhosa. Se detonar, seus miguxos e miguxas vão pensar - em primeiríssimo lugar - que você está transbordando de recalque. Talvez até tentem "comprovar" se você está certo no seu "julgamento"...


Mas nada disso é tão "ooohhhh" como estão colocando. Não é nada que já não exista - só que de outra maneira...
Hoje a vida não acontece fora das redes sociais. Nelas está cada pequeno detalhe de nossas vidas (melhor dizendo...suas vidas, porque aqui não rola facebook...). As pessoas sabem o que você ouve, assiste, veste, come, onde mora, onde frequenta, se está namorando, casado, caçando. Sabem até se seu vizinho incomoda, se seus filhos estão estudando, se sua família é uma bosta.
A diferença é que quem tem facebook, por exemplo, só posta o que lhe convém. Não coloca fotos em que não está "lindo", não posta aquele canto horrível da casa, não mostra suas mazelas e idiotices, fotos de suas hemorróidas, celulites, rugas. Uma página de face traz sempre as fotos lindas, os passeios perfeitos, a decoração impecável, os miguxos e miguxas "amados", em resumo - um ser maravilhoso que deve ser seguido, curtido e compartilhado.
Ou seja - esses aplicativos trazem uma mistura de ansiedade (será que vão falar bem de mim?) e medo (será que vão descobrir a porcaria que eu sou?). Maricotas debruçadas na janela, falando mal da vida alheia, cuspindo no prato em que comeram (ou foram comidas). E para que propósito? Nenhum! O cara que você achou péssimo na cama pode ter sido uma máquina de prazer com outra (porque ela é melhor que você). A menina que você rotulou de #nãovaleapena pode ser um vulcão de orgasmos nas mãos do cara certo (que com certeza não é você). 
O ser humano já tem feito isso há séculos. Mais importante que comer é contar.
Mas hoje o mundo globalizou, a tecnologia leva você aos 4 cantos da Terra. Consequentemente, suas opiniões também. 
E opiniões são como orifício anal - cada um tem o seu, que é sempre melhor que o do outro. A mulher que você "pegou" na balada e levou para o motel - e depois colocou uma opinião pejorativa no app, é a mesma que um dia vai fazer a felicidade de um cara que mereça. E a sua opinião sobre ela não vai fazer a menor diferença... Mulheres sempre dirão que os gritos da vizinha são fingidos. Homens sempre acharão que o deles é maior que o dos outros...
Os medíocres gostam de colocar nas redes sociais cada pequena emoção, cada pequeno acontecimento. "Estou deprê", "estou apaixonada", "tenho novo emprego", "minha cadela deu cria"... E para isso contam com uma fiel audiência (aquela do "curtir"). Só que tudo traz consequências - e no mundo real, inclusive!
Mas com os problemas, vêm as soluções. Sites que VENDEM avaliações positivas! Um boost no seu ego por uns míseros trocados. Que tal ser um 9,0 no mundo virtual, quando não chega a 1,0 no mundo real? Hein? Hein?
Ou quem sabe - sacrilégio dos sacrilégios - simplesmente abrir mão da putaria digital e tentar viver a vida de verdade. Conhecer pessoas de verdade, sentir emoções reais. Sofrer decepções sem que o planeta inteiro saiba. Amar alguém e só repartir com quem você tem certeza de querer realmente a sua felicidade. E - não - NÃO são as pessoas que lhe chamam de "lindo", "maravilhoso" na sua page. Não são os generosos doadores de "dedinhos pra cima". São pessoas que você só vai encontrar se lembrar que aquela pessoa falsamente produzida, feliz e perfeita do facebook não é você. É uma cópia digital de um ser humano medíocre.
Você é uma individualidade. E tudo o que precisa para ser feliz (ou menos miserável) se encontra lá fora, no mundo real.
Redes sociais são como drogas. Paliativos que tornam sua vida menos oca.
E aplicativos para "dar nota" só mostram que você é PÉSSIMO/A para escolher quem te dá ou te come.

Simples assim...



música para reflexão: "Stupid Girl", do Cold.

5 comentários:

Aninha disse...

Se descontar mágoa de EX ......... quase não vai sobrar nota!

hahahaha

Mari disse...

Destilar mágoa como se pinga fosse...rsrs
Penso na EX que, além de stalkear, ainda "convoca" as miguxas para detonarem o pobre rapaz que dela se livrou...
Recalque, desilusão, vazio?
Uma mulher PLENA não se mete com essas imbecilidades. Uma mulher com "M" não é nenhuma "lulu" - as vaquinhas de presépio são.
Besos.

ﯼαm ♠ disse...

Acho que rede social só torna menos oca a vida dos medíocres (como foi dito aqui). Minha prima já me mostrou cada atrocidade postada por pessoas que um dia foram sãs, amigas nossas.
Quem tem facebook vai continuar se refestelando na própria imundície, pois sentem a necessidade de se mostrar ao mundo, de aparecer de uma forma que nunca conseguiriam no mundo "real".
Tudo soa como um Matrix das catacumbas abissais babilônicas.

Gosto de ver o que é postado aqui, um dos poucos locais que visito com frequência além do Whiplash e Pignes.
Ainda mais escrito por homens (não existem muitas pessoas com o pensamento assim), geralmente os caras querem usar essas redes para todo tipo de torpeza dissimulada.
Bom ver que ainda existem seres sensatos nesse mundo caótico, mesmo que seja uma ínfima parcela.
É bem mais fácil encontrar quem promova as redes sociais como se ganhassem dinheiro com isso.

E esse aplicativo não passa de um bobo da corte usado na distração desses espectadores que recebem tudo o que é imposto a eles de boca aberta, emburrecendo com o uso constante de tanta insignificância.
Conversei ontem com minha prima sobre isso (não sei por que ela usa facebook) e achamos absurda essa nova preocupação dos usuários.
Que mundo ridículo esse em que fui atirada, antes nunca tivesse nascido.
Engraçado é que a humanidade se comporta sempre da mesma forma, o tempo passa e a peça nunca deixa de ser encenada. A Divina Comédia.

E como foi dito em um filme: "em vez de amor, dinheiro, fama, me dê a verdade." Thoreau. (Vi no Into the Wild e até me deu vontade de fazer o mesmo que o Chris. Ah se eu fosse homem...)

Mas acho que é da verdade que pessoas assim fogem, se escondem nessa carapuça de um personagem criado para impressionar seu grande público de imbecis, invejando/desejando uma enorme mentira.

Que a força esteja com vocês \,,/

Marcos disse...

Quando eu era menino, ouvia os mais velhos nas mesas de bar ou bancos de escola, dizendo "já comi" quando alguma menina passava. Na época eu não sabia que metade era mentira.
Cresci criado em uma família decente. Com um pai que me ensinou desde sempre que toda mulher merece, antes de tudo, respeito. Da freira à prostituta. DESDE QUE ela se atribua o devido respeito.
Hoje vejo meninos e meninas fazendo estupidez ainda maior. Do alto dos meus 50 e tantos, achava que as novas gerações iriam nos surpreender positivamente, nos deixar envergonhados das bobagens que fazíamos.
Infelizmente, vejo que é uma tendência humana seguir para a mediocridade - no sentido de médio, igual a todos, sem exceder, sem superar.
Temos todas as ferramentas para tornarmos o mundo um tanto melhor. A tecnologia nos une, nos auxilia, nos aproxima.
E a utilizamos para isso. Para exibir o que não somos, detratar os que não gostamos, ignorar os grandes problemas em prol de nossa pequenez.
Este blog tem sido minha leitura quase diária. Ri um bocado quando vi a reportagem dos "figurinos horríveis" das bandas (que na maioria amo, fazer o que). Mas voltei à realidade incômoda ao ler este post. Eu nem sabia da existência desses "aplicativos" tão "úteis". Mesmo só utilizando meu face para contatos profissionais, senti vontade de simplesmente desligar minha conta. Em prol de tudo o que mais amo e respeito nas mulheres, as da minha família e do resto do planeta.
Voltemos então ao bom e velho ROCK, onde o "desrespeito" vem na forma jocosa, quase pueril, totalmente para não ser levado a sério.
E que os deuses abençoem as ovelhas que necessitam ser lideradas pelos ditames da maioria. Não sei se o reino dos céus será delas, mas certamente, o reino da infelicidade eterna será.

Up the Irons!

Nany M. disse...

E aí Conservado, td certo? Pois é, eu achei que era mentira essa história de aplicativo pra difamar o desempenho sexual das pessoas,mas infelizmente é verdade. Não entendo a utilidade de tal coisa, mas alguém deve estar feliz com "vingancinhas" contra os/as ex(s). Mentes pequenas acreditam que isso seja algum tipo de vantagem... Paciência, algumas pessoas realmente se sentem bem sendo idiotas e compartilhando idiotices....
Abraço!
(http://pensandoemexcesso.blogspot.com.br/)