sábado, 2 de novembro de 2013

Pra quem se garante... mesmo!

ZEITGEIST é um documentário que provoca uma única reação: espanto.
Seja daqueles de mente aberta, que gostam de saber a VERDADE sobre tudo, experimentam, analisam, não têm medo de utilizar o cérebro...
Ou daqueles de mentalidade tacanha - que, por preguiça de raciocinar, ou medo de "consequências", preferem se apegar a "crenças" (entenda - algo que não pode ser comprovado) do que questionar.
ACREDITAR é uma questão pessoal. 
Mas acreditar cegamente beira a insanidade. No que quer que seja.
"Fé" não é argumento válido. "Porque sim" e "porque não" são respostas que se dá a crianças de no máximo 2 anos de idade. Um ser humano que possui algo no espaço que separa as orelhas PRECISA questionar absolutamente TUDO. Sem medo de "castigo", "punição", ou da reação dos seus pares.
Nosso mundo cultua seres invisíveis, jamais comprovados, protagonistas de historinhas tão absurdas que não seriam utilizadas nem em contos dos irmãos Grimm. Mas quando alguém levanta a voz para questionar o que "a massa" aceita cegamente, revivemos o período grotesco da Inquisição. Que, aliás, foi promovida por aquela instituição que também gosta de cultuar amigos imaginários - e te ameaça se você não fizer o mesmo... e cobra caro por isso.

ZEITGEIST está integralmente disponível no Youtube (link abaixo). Com legendas em português. É o primeiro de uma série de documentários, mas com certeza o principal deles.

Assista, nem que seja para meter o pau e voltar para sua cômoda vidinha de crenças absurdas. Pode ser, porém, que uma luzinha vermelha comece a piscar em alguma região do seu pouco usado cérebro... um sinalzinho de alerta para você começar a VER a verdade, enquanto é tempo. Sobre todas as coisas, mas sobre você mesmo.

Isto é... se você se garante.




música para reflexão: "Lies", do Korn.

3 comentários:

ﯼαm ♠ disse...

Poxa, vocês desabafam mesmo. Até me espanta que os "inquisidores" não tenham praguejado e catequizado nos comentários.
Pra mim é extremamente complicado seguir uma religião, fui evangélica (acreditem) até uns 10/11 anos, mas não concordava com as besteiras que as pessoas valorizavam, eu era a única com o cabelo curto, adorava meus shorts e me sentia deslocada por isso. Meus avós ainda são cristãos, mas nunca criticaram por eu ter me "desviado", nem por meus gostos excêntricos. Eles são bem diferentes dos intolerantes que vemos aos montes.

Desde então, cresci, questionei e vi que não é bem assim. Já me disseram que é certeza minha avó paterna ir pro inferno porque ela era católica. Fiquei até mal, foi uma pessoa da Igreja (do tipo professor) que disse isso e, pelo que eu saiba, ele não é Deus.

Até tentei visitar essa Igreja, nesse dia, mas todos aqueles metido a salvos juntos nunca me aceitariam do jeito que sou, ainda mais depois de ter questionado uma outra coisa que essa pessoa disse numa escola de doutrina, todos me olharam como se eu fosse o próprio Lúcifer e eu não quis tentar novamente.

Também não tenho vocação pra ficar adorando adornos de gesso, nem acreditar em almas que vem a passeio e menos ainda pra matar galinha preta.

Sendo assim, o que resta a pessoas como eu?

Lembrei do Edguy na Theater of Salvation:

Night after night
I remembered the word of the priest:
"Thou shalt not! Never give in to the promises made by the beast,
so help me God!
Never give in to the temptation or you'll burn in hell a long, long time!
Forever-eternal-salvation is what I can sell if you stay blind"

But I wanna know what lies behind the gate of their hell
And I won't believe all stories that they always tell
I got the mind to find out what is right or wrong
Freedom calling...

\,,/
Tenho que ver esse documentário.
Agradeço as indicações do blog.
May metal stay with you!

Conservado no ROCK disse...

"O que resta a pessoas como eu"?????

Sam - resta o mesmo que a todos os seres humanos: usar o cérebro. Questionar, inquirir, duvidar, comprovar. E depois escolher o que mais lhe agrada, ou melhor lhe cabe.

SIM - alguns "inquisidores" até mandam comentários. Mas devido à inutilidade e absoluta ausência de argumentos úteis, vão para o mesmo destino que 99% dos comentários enviados a este blog: DELETE!

Ao contrário da sua opinião (como você já notou, é quase que uma "editora convidada" do C'n'R...), imbecis que criticam sem argumentos são levados com a água da descarga.

O bom desse documentário, e o próprio motivo dele existir, é justamente sacudir a cabeça daqueles que acreditam sem questionar. Tanto na existência de um deus quanto na veracidade do 11 de setembro ou a indestrutibilidade das batatas fritas daquela rede de fast food.

NUNCA falaremos que esta ou aquela fé ou crença está incorreta, ou detrataremos quem tem uma fé. Mas SEMPRE iremos repetir que TUDO deve ser questionado. Nós humanos questionamos desde a sinceridade de nossos parceiros amorosos até as falhas nos filmes de Hollywood. Não acreditamos em vida em outro planeta, mesmo sabendo que há bilhões deles com condições pra isso - mas aceitamos cegamente seres feitos sabe-se lá de quê, que vivem sabe-se lá onde - apenas por MEDO de algo ruim nos acontecer. Isso ofende qualquer inteligência um pouco mais do que mediana.

Então vamos pegar uma máxima de uma religião. Justamente uma que nunca entra em conflito com as demais, ou com qualquer conceito científico humano: o Budismo. E essa máxima diz mais ou menos assim: "nunca acredite em algo só porque alguém disse ser verdadeiro ou porque é protegido por algum dogma. Duvide, argumente, e descubra por si próprio, para então decidir se aceita ou não."

E não há nada de "pecado" nisso...

Continue com a gente!

Keep Rocking and THINKING!

C'n'R

ﯼαm ♠ disse...

Esse documentário é muito bom, mas a história de Horus e Krishna são bem conhecidas, acho que a maioria dos cristãos conhecem um pouco desse documentário, porque não há como seguir uma religião e ficar absorvendo tudo sem saber um mínimo de história da humanidade.
Bom, muitos desconhecem, eu sei, mas será que nem os jovens sabem toda essa questão do simbolismo, como da cruz, as datas comemorativas como o nascimento de Cristo, dia dos mortos, sobre a virgem que o concebeu, o uso dos terços também???
Me recuso a acreditar que as pessoas critiquem tão fervorosamente algo tão simples de aceitar, apenas o estudo das crenças humanas, que unificadas, levaram ao surgimento do cristianismo.
Pronto!

Só assisti os primeiros 24 min, depois pego com a minha prima, ela já tinha me falado desse documentário, é que o início é tão óbvio...

Enfim, espero que os "inquisidores" assistam e aprendam um pouco de história, acho que eles estão precisando se aprofundar mais no que acreditam.

Meu maior problema é que discordo dessa questão de Deus nos querer de uma certa forma, que eu não sou, e jogar no lixo quando não saímos da maneira certa.
Que porra é essa???
Eu não quero saber de outra vida depois dessa, se a santa bíblia diz que podemos pedir o que for, desde que seja de coração, e Ele atenderá, então a única coisa que quero é viver apenas uma vida (a dessa terra) e game over!
Que saco ter que ficar sendo quem não é, dar um de santo purificado e julgar o semelhante. Odeio isso nos cristãos.

Obrigada por aceitarem minha opinião aqui, fico imaginado o que escrevem de tão absurdo pra vocês não postarem. Deve ser uma diversão esse momento, não é?

Sei que estou cansada dessas ladainhas de intolerantes, uma pessoa que se diz religiosa e sai por aí praguejando aos quatro cantos do mundo, não merece o mínimo de atenção. Se apenas seguissem o que eles acreditam o mundo seria mais calmo nesse quesito.

Budismo realmente surpreende, já pensei em ir com a minha prima conhecer, mas não sei se ela ainda frequenta ou é católica agora.

Enfim, mais um comentário enorme (pardon).
Que o metal esteja com vocês, porque nessas horas, só ele pra relaxar os nervos cansados de asneira!